António Gaspar > Saúde > Dor no ombro – como prevenir e tratar
dor no ombro

Dor no ombro – como prevenir e tratar

A dor no ombro é uma patologia comum, que se desenvolve por diferentes motivos, sendo uma das disfunções mais comuns a tendinopatia do coifa dos rotadores. Esta pode ser responsável pelo surgimento de dor local ou irradiada e disfunção de movimento. 

Lesões relacionadas com o trabalho 

Em vários países, as lesões do ombro relacionáveis com o trabalho são motivo de queixa e são também frequentemente reportadas, nos mais variados sectores de trabalho.

Os sinais poderão surgir também em atletas, nomeadamente naqueles em que a prática desportiva obriga a actividades com a mão acima do nível da cabeça, como no voleibol, natação e ténis.

Além disso, há ainda outros riscos, nomeadamente antropométricos e de relação de força e flexibilidade, entre outros. A identificação destes riscos também facilitará, no futuro, o estabelecimento de programas de prevenção específicos.

Sinais e sintomas de dor no ombro

  • Dor local ou irradiada pelo braço, sem causa aparente ou agravada pelo esforço, que tende a piorar durante a noite (impede/dificulta o sono) 
  • Dificuldade para movimentar o braço acima da linha dos ombros, associada a uma fraqueza muscular.

Fase de tratamento

O tratamento passa, numa primeira fase, pelo gestão da dor e controlo da inflamação. Isto poderá implicar a suspensão das atividades que possam estar na origem do problema. 

Além disso, ainda temos a mobilização dos tecidos moles, eletroterapia e colocação de gelo de forma local. Exercícios para ganho de mobilidade articular e fortalecimento muscular são também um meio para reequilibrar forças e melhorar o recrutamento muscular.

Como prevenir?

Estando muitos de nós a trabalhar a partir de casa, estamos expostos frequentemente a alguns trabalhos que podem influenciar de forma negativa a parte dos tecidos moles do ombro, primariamente a outras lesões mais complexas como a tendinopatia. 

Assim, assegure, como prevenção de primeira linha, que mão/cotovelo não se encontram, durante períodos longos de tempo, mais elevados que o ombro. Isto porque, quando mais elevados, podem exercer uma carga superior, aumentando o risco de lesões várias ao nível desta articulação.

Como forma de prevenir estas disfunções, pode adotar várias estratégias. Praticar exercício específico e orientado para o membro superior (com respeito pela intensidade e peso prescritos) ou até mesmo um treino geral, ajustar o posto de trabalho, fazer exercícios de alongamento orientado e pausas com maior regularidade são formas de a reduzir o risco de exposição a lesões e não experienciar dor no ombro. 

Texto da autoria do Fisioterapeuta Pedro Carvalho.

Referências: 

van der Molen HF, Foresti C, Daams JG, Frings-Dresen MHW, Kuijer PPFM. Work-related risk factors for specific shoulder disorders: a systematic review and meta-analysis. Occup Environ Med. 2017;74(10):745–755. doi:10.1136/oemed-2017-104339

Littlewood C, Malliaras P, Chance-Larsen K. Therapeutic exercise for rotator cuff tendinopathy: a systematic review of contextual factors and prescription parameters. Int J Rehabil Res. 2015;38(2):95–106. doi:10.1097/MRR.0000000000000113

Peters JA, Zwerver J, Diercks RL, Elferink-Gemser MT, van den Akker-Scheek I. Preventive interventions for tendinopathy: A systematic review. J Sci Med Sport. 2016;19(3):205–211. doi:10.1016/j.jsams.2015.03.008

Dejaco, B., Habets, B., van Loon, C., van Grinsven, S., & van Cingel, R. (2016). Eccentric versus conventional exercise therapy in patients with rotator cuff tendinopathy: a randomized, single blinded, clinical trial. Knee Surgery, Sports Traumatology, Arthroscopy, 25(7), 2051–2059.